ࡱ> AC@7 %bjbjUU .N7|7|!l  $ p pǨj&8d0s sO dogma derrete antes das geleiras Quem duvida do aquecimento global tratado como inimigo da humanidade. Agora, revelaes sobre manipulaes e fraudes nos relatrios climticos mostram que os cticos devem ser levados a srio Okky de Souza  HYPERLINK "http://veja.abril.com.br/" \t "_blank" Revista Veja 24/02/2010 Nos ltimos anos, a discusso sobre o aquecimento global e suas consequncias se tornou onipresente entre governos, empresas e cidados. louvvel que todos queiram salvar o planeta, mas o debate sobre como faz-lo chegou ao patamar da irracionalidade. Entre cientistas e ambientalistas, estabeleceu-se uma espcie de fervor fantico e doutrinrio pelas concluses pessimistas do Painel Intergovernamental sobre Mudanas Climticas (IPCC), rgo da ONU. Segundo elas, ou se tomam providncias radicais para cortar as emisses de gases do efeito estufa decorrentes da atividade humana, ou o mundo chegar ao fim do sculo XXI beira de uma catstrofe. Nos ltimos trs meses, numa reviravolta espetacular, a doutrina do aquecimento global vem se desmanchando na esteira de uma srie de escndalos. Descobriu-se que muitas das pesquisas que do sustentao aos relatrios emitidos pelo IPCC no passam de especulao sem base cientfica. Pior que isso: os cientistas que conduzem esses estudos manipularam dados para amparar suas concluses. O primeiro abalo na doutrina do aquecimento global se deu no fim do ano passado, quando um grupo de hackers capturou e divulgou mais de 1 000 e-mails trocados entre cientistas ligados Universidade de East Anglia, na Inglaterra, o principal centro mundial de climatologia. As mensagens revelam que cientistas distorceram grficos para provar que o planeta nunca esteve to quente nos ltimos 1 000 anos. As trocas de e-mails tambm mostraram que os climatologistas defensores da tese do aquecimento global boicotam os colegas que divergem de suas opinies, recusando-se a repassar dados das pesquisas que realizam. Os e-mails deixam claro, ainda, que o grupo dos catastrofistas age para tentar impedir que os cticos (como so chamados os cientistas que divergem das teses do IPCC) publiquem seus trabalhos nas revistas cientficas mais prestigiadas. O climatologista ingls Phil Jones, diretor do Centro de Pesquisas Climticas da Universidade de East Anglia, sumo sacerdote do dogma da mudana climtica e responsvel pelos e-mails mais comprometedores, protagonizou o episdio mais dramtico de reconhecimento de que muito do que divulga o IPCC no passa de m cincia. Em entrevista concedida depois de se tornar pblico que ele prprio tinha manipulado dados, Jones admitiu que, em dois perodos (1860-1880 e 1910-1940), o mundo viveu um aquecimento global semelhante ao que ocorre agora, sem que se possa culpar a atividade humana por isso. O climatologista reconheceu tambm que desde 1995 o mundo no experimenta aquecimento algum. A reputao do IPCC sofreu um abalo tectnico no incio do ano, quando se descobriu um erro grosseiro numa das pesquisas que compem seu ltimo relatrio, divulgado em 2007. O texto afirma que as geleiras do Himalaia podem desaparecer at 2035, por causa do aquecimento global. O derretimento teria consequncias devastadoras para bilhes de pessoas na sia que dependem da gua produzida pelo degelo nas montanhas. Os prprios cientistas que compem o IPCC reconheceram que a previso no tem o menor fundamento cientfico e foi elaborada com base em uma especulao. O mais espantoso que essa bobagem foi tratada como verdade incontestvel por trs anos, desde a publicao do documento. No demorou para que a fraude fosse creditada a interesses pessoais do presidente do IPCC, o climatologista indiano Rajendra Pachauri, cuja renncia vem sendo pedida com veemncia por muitos cientistas. Pachauri diretor do instituto de pesquisas Teri, de Nova Dlhi, agraciado pela Fundao Carnegie, dos Estados Unidos, com um fundo de meio milho de dlares destinado a realizar pesquisas... nas geleiras do Himalaia. A mentira sobre o Himalaia j havia sido denunciada por um estudo encomendado pelo Ministrio do Ambiente da ndia, mas o documento foi desqualificado por Pachauri como sendo "cincia de vodu". Os relatrios do IPCC so elaborados por 3 000 cientistas de todo o mundo e, por enquanto, formam o melhor conjunto de informaes disponvel para estudar os fenmenos climticos. O erro est em consider-lo infalvel e, o que pior, transformar suas concluses em dogmas. Nos ltimos anos, a discusso sobre o aquecimento global e suas consequncias se tornou onipresente entre governos, empresas e cidados. louvvel que todos queiram salvar o planeta, mas o debate sobre como faz-lo chegou ao patamar da irracionalidade. Entre cientistas e ambientalistas, estabeleceu-se uma espcie de fervor fantico e doutrinrio pelas concluses pessimistas do Painel Intergovernamental sobre Mudanas Climticas (IPCC), rgo da ONU. Segundo elas, ou se tomam providncias radicais para cortar as emisses de gases do efeito estufa decorrentes da atividade humana, ou o mundo chegar ao fim do sculo XXI beira de uma catstrofe. Nos ltimos trs meses, numa reviravolta espetacular, a doutrina do aquecimento global vem se desmanchando na esteira de uma srie de escndalos. Descobriu-se que muitas das pesquisas que do sustentao aos relatrios emitidos pelo IPCC no passam de especulao sem base cientfica. Pior que isso: os cientistas que conduzem esses estudos manipularam dados para amparar suas concluses. O primeiro abalo na doutrina do aquecimento global se deu no fim do ano passado, quando um grupo de hackers capturou e divulgou mais de 1 000 e-mails trocados entre cientistas ligados Universidade de East Anglia, na Inglaterra, o principal centro mundial de climatologia. As mensagens revelam que cientistas distorceram grficos para provar que o planeta nunca esteve to quente nos ltimos 1 000 anos. As trocas de e-mails tambm mostraram que os climatologistas defensores da tese do aquecimento global boicotam os colegas que divergem de suas opinies, recusando-se a repassar dados das pesquisas que realizam. Os e-mails deixam claro, ainda, que o grupo dos catastrofistas age para tentar impedir que os cticos (como so chamados os cientistas que divergem das teses do IPCC) publiquem seus trabalhos nas revistas cientficas mais prestigiadas. O climatologista ingls Phil Jones, diretor do Centro de Pesquisas Climticas da Universidade de East Anglia, sumo sacerdote do dogma da mudana climtica e responsvel pelos e-mails mais comprometedores, protagonizou o episdio mais dramtico de reconhecimento de que muito do que divulga o IPCC no passa de m cincia. Em entrevista concedida depois de se tornar pblico que ele prprio tinha manipulado dados, Jones admitiu que, em dois perodos (1860-1880 e 1910-1940), o mundo viveu um aquecimento global semelhante ao que ocorre agora, sem que se possa culpar a atividade humana por isso. O climatologista reconheceu tambm que desde 1995 o mundo no experimenta aquecimento algum. A reputao do IPCC sofreu um abalo tectnico no incio do ano, quando se descobriu um erro grosseiro numa das pesquisas que compem seu ltimo relatrio, divulgado em 2007. O texto afirma que as geleiras do Himalaia podem desaparecer at 2035, por causa do aquecimento global. O derretimento teria consequncias devastadoras para bilhes de pessoas na sia que dependem da gua produzida pelo degelo nas montanhas. Os prprios cientistas que compem o IPCC reconheceram que a previso no tem o menor fundamento cientfico e foi elaborada com base em uma especulao. O mais espantoso que essa bobagem foi tratada como verdade incontestvel por trs anos, desde a publicao do documento. No demorou para que a fraude fosse creditada a interesses pessoais do presidente do IPCC, o climatologista indiano Rajendra Pachauri, cuja renncia vem sendo pedida com veemncia por muitos cientistas. Pachauri diretor do instituto de pesquisas Teri, de Nova Dlhi, agraciado pela Fundao Carnegie, dos Estados Unidos, com um fundo de meio milho de dlares destinado a realizar pesquisas... nas geleiras do Himalaia. A mentira sobre o Himalaia j havia sido denunciada por um estudo encomendado pelo Ministrio do Ambiente da ndia, mas o documento foi desqualificado por Pachauri como sendo "cincia de vodu". Os relatrios do IPCC so elaborados por 3 000 cientistas de todo o mundo e, por enquanto, formam o melhor conjunto de informaes disponvel para estudar os fenmenos climticos. O erro est em consider-lo infalvel e, o que pior, transformar suas concluses em dogmas. #'(ABC%ԸOJQJ^JmHsH<OJQJ^J5\mHsH0J5\mHsH0J5\mHsHj0J5U\mHsH5CJOJQJ\^JmHsHCJOJQJ^JmHsH #C%%[$\$$a$%,1h/ =!"#$%  i8@8 NormalCJ_HaJmH sH tH J`J Heading 1dd@&[$\$5CJ0KH$\aJ0F`"F Heading 2dd@&[$\$5CJ$\aJ$<A@< Default Paragraph Font.U`. Hyperlink >*B*ph"W`" Strong5\(o( f10dd[$\$:^`": Normal (Web)dd[$\$!N#C!!000000%$%%%&'A!XT"#(A!!"#Bac!!! Bencio Biz^C:\Documents and Settings\Luciana Lemos\Meus documentos\O dogma derrete antes das geleiras.doc@C!@@UnknownGz Times New Roman5Symbol3& z Arial"h;!r0K"2Q"O dogma derrete antes das geleiras Bencio Biz Bencio BizOh+'0 $0 L X dpx#O dogma derrete antes das geleirass do Bencio Bizenen Normal.dot Bencio Biz1nMicrosoft Word 9.0e@ @l%@yd&՜.+,D՜.+,T hp  Bencio;K" #O dogma derrete antes das geleiras Title 8@ _PID_HLINKSAlhttp://veja.abril.com.br/  !"#$%&')*+,-./12345679:;<=>?BRoot Entry F0$j&D1Table(WordDocument.NSummaryInformation(